Sarampo: entenda por que a doença está de volta e seus riscos

Uma nova onda de Sarampo tem tomado conta de alguns estados brasileiros em 2022: São Paulo, Rio de Janeiro, Rondônia e Rio Grande do Sul. O avanço da doença surpreendeu a todos porque ela havia sido considerada erradicada nas Américas em 2016 pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O retorno da doença, entretanto, serviu como alerta para que as pessoas voltem a se precaver contra o Sarampo de todas as formas possíveis.


Esse retorno está associado a países nas Américas que deixam de aplicar a vacina por questões políticas e econômicas, deixando a população mais indefesa para contrair o vírus e espalhá-lo. A falta de reforço vacinal também é outro dos motivos que contribuíram para o retorno fortificado do Sarampo. Por ser uma doença altamente transmissível, o Sarampo precisa ser combatido de forma rigorosa, sem que as pessoas pulem as doses de reforço. E é justamente por isso que a ProNew preparou para você um artigo explicando os riscos dessa doença e como você pode se prevenir.


O que é o Sarampo?

Trata-se de uma doença muito contagiosa provocada por um vírus chamado Morbilivirus, sendo transmitida por secreções e fluidos, como gotículas de saliva – ou seja, cuidado com espirros e tosse. O período de incubação da doença é de aproximadamente 12 dias, tempo que os sintomas demoram para aparecer. Porém, a transmissão pode ocorrer mesmo sem o aparecimento de sintomas.


O Sarampo é uma doença que pode deixar sequelas para toda a vida, além de potencializar outras doenças e, em casos mais graves, levar até mesmo à morte. O maior perigo é para grávidas, crianças recém-nascidas e pessoas com sistema imunológico mais fraco.


Sintomas

  • Manchas avermelhadas na pele;

  • Febre alta

  • Dor de cabeça

  • Conjuntivite

  • Coriza

  • Perda de apetite

  • Tosse

  • Pneumonia

  • Otite


Tratamento

Não existe nenhum tratamento específico para o Sarampo. Neste caso, o paciente é colocado em isolamento e o médico mira apenas o alívio dos sintomas. O único tipo de medicamento que não é indicado é o antibiótico, a não ser que haja alguma indicação médica para tratar infecções secundárias que possam ter surgido. No mais, em casos menos complicados, a recomendação é de que o paciente mantenha-se hidratado, tenha uma alimentação saudável, tome suplementos de vitamina A e use remédios em casos de febre e náuseas – sempre com indicação do médico.


A importância da vacinação

A vacina contra o Sarampo é eficaz em aproximadamente 97% dos casos, sempre com aplicação dupla: a primeira a partir do 12º mês de vida da criança e a segunda entre 15 e 24 meses de vida – a informação é de acordo com a Sociedade Brasileira de Imunização. Caso você seja adulto e não tenha tomado a vacina quando criança (e caso também nunca tenha tido a doença na infância), você deve ir até o posto de saúde e se vacinar. A única contraindicação serve para mulheres grávidas e pessoas com a imunidade comprometida.


Vale lembrar que a vacina é a única forma de conter o avanço do Sarampo (e de várias outras doenças). Não caia em rumores e notícias falsas: as vacinas disponíveis em postos de saúde são seguras e testadas previamente. Outra questão importante é que, com o Sarampo, o conceito de imunização de rebanho é fundamental. Ou seja, quanto mais pessoas se vacinarem, maior o nível de segurança para toda a população.